Make your own free website on Tripod.com

Bem vindo ao canários da terra Home Page

Mestre Luiz A.Taddei:artigo 3
Home
Mestre Ivan Neto( artigos)
Noções Básicas na criação de CT
Mestre Luiz Antonio Taddei- Criador de canários da terra
Mestre Luiz A.Taddei: :Artigo 2
Mestre Luiz A.Taddei:artigo 3
criadores de canários
cantos de canários da terra
Alimentação do canário da terra
E-mail para contato

CANÁRIO DA TERRA - CRIAÇÃO E SELEÇÃO


A criação de Canários é um instante fugaz no cenário da Seleção


Quantos de nós possui esse dom especial de poder retirar um canário campeão no meio de um lote de 10 meio-irmãos, aos 2 ou 3 meses de idade ? Quantos de nós conseguiu educar os olhos, suficientemente, para reconhecer aos 2 meses um filhote junto a seus 3 ou 4 irmãos ?
Que dom notável é esse???



Tecnicamente, Criação = Propagação da espécie. Para nós, amantes de pássaros cujas técnicas de reprodução e multiplicação da espécie já estão dominadas e conhecidas, agrega-se, obrigatoriamente ao termo criador, o de Selecionador.

O Canário da Terra, o Sicalis Flaveola, já de algum tempo tem suas técnicas de criação conhecidas, definidas e descritas por inúmeros pesquisadores amantes desta espécie de pássaros. Não cabe e nem é intenção deste nosso texto discuti-las, confronta-las ou contradize-las, porém é a de apresentarmos a nossa visão à seleção do Canário da Terra.

À falta do famoso dom capaz de identificar num grupo de jovens pássaros o melhor, somos obrigados a recorrer a velha máxima de que o trabalho de seleção constitui-se de 95% de transpiração e 5% de inspiração, ou seja, visitas a criadores, conversas, pesquisas, apontamentos, anotações, observações, acompanhamentos, etc. para desse conjunto tentarmos formar alguns conceitos que possam orientar nossa seleção.

A criação de Canários é um instante fugaz no cenário da Seleção. Enquanto a criação se resolve em poucos dias a seleção exige uma grande dose paciência. Salvo para aqueles beneficiados pelos ventos da sorte, a seleção é um trabalho solitário de observações e anotações por um período mínimo de 2 ou 3 anos, com diversos indivíduos para uma amostragem sólida e com total isenção de julgamentos guardar para recondução à criação os indivíduos de destaque.

Canários conheço muitos e os vi em liberdade em diversas regiões do país. De muitos lugares trouxe exemplares, alguns com qualidades outros meros "comedores de alpiste". A seleção genética pode ser comprovada mesmo com as aves em liberdade. Existem regiões onde os canários são de qualidade ímpar, superiores. Outras são igualmente sabidas e conhecidas como o oposto.

O selecionador de Canários da Terra, Ivan de Souza Neto, me repassou a seguinte frase:
Sabemos que os Canaristas estão comendo poeira envelhecida dos Curiozeiros.
Segundo o Dr. Giordano:
Os Curiozeiros aprendem com os criadores de Canários do Reino; agora os Criadores de Canário da Terra terão que correr atrás dos Curiozeiros.

Inúmeros canaristas criticam essa constante citação aos curiozeiros, mas ambos são pássaros canoros nacionais, a seleção deles é mais antiga que a nossa e indiscutivelmente, existem uma grande quantidade de curiós já nascidos em ambiente doméstico, de primeiríssimo time. Além do que, só temos a ganhar com a observação e adequação aos canários das experiências de seleção dos curiós.

Mas, quais os principais obstáculos? O que fazer para acelerar essa nossa seleção?

Algumas medidas são de caráter individual e outras coletivas. No individual, que só a nós compete, teríamos a mudança de antigos e arraigados conceitos, que ainda não liberam para a criação os bons canários, campeões de torneios e temporadas. Despojamento de orgulhos para o reconhecimento das qualidades de canários de propriedades de terceiros e consequentemente o convite a levar aquele canário a criação.

Ter com as fêmeas os mesmos critérios de seleção que se tem com os machos.
- Mas como? a fêmea não canta e nem participa de torneios?
Pela avaliação de seus irmãos, pai e filhos. Uma canária filha de um bom canário, que tem um irmão que passe numa primeira avaliação e principalmente se já criou e produziu filhos de boa média de qualidades.
Reservando para o criatório nossas filhotas. Essas novas F-1, filha de canários que demonstram excelentes qualidades serão, a meu ver, a base de nosso criatório. Com elas daremos o verdadeiro início. As águas começaram a correr daqui para frente.
Essas canárias, filhas "desses" Canários serão no mínimo Meio Sangue (como dizem os criadores) ou seja terão no mínimo 50% dos genes que resultam no bom canário. Estamos criando nossas matrizes. Estamos formando uma raça. Essas canárias não terão preço. Não podemos nos desfazer delas sob pena de voltarmos a estaca zero. Ou partimos decididos para a seleção ou seremos mais um Multiplicador de Canários. Não é isso que queremos. Não é esse nosso objetivo.

Pelo aprimoramento da alimentação dos canários, pássaros mais saudáveis com certeza terão a disposição necessária para exteriorizar todo seu potencial genético.
Pela dedicação de maior carga horária ao pássaro, verificando se sua disposição é constante e em diferentes ambientes.
Uma constante vigilância na reprodução, rejeitando e impedindo a utilização de medicamentos inadequados ou receitados por quem não detém os predicados nem o conhecimento para tanto, não criando assim problemas para nossas fêmeas, esgotando-as ou levando-as a condições anormais e filhotes que apresentarão em pouco tempo quadros negativos de saúde ou comportamentos inadequados por causa de algum desequilíbrio hormonal.

Transcrevo trechos do pensamento e comportamento de um selecionador de curiós:
não utilizar fêmeas sem um estudo profundo de sua genética, fenótipo e comportamento. ...... assim conseguimos traçar mapas da reprodução...... fiz um mapeamento genético de todas as matrizes..... .... para ter uma linhagem definida......... na fixação de caracteres desejáveis.
E que objetivos busca esse criador (ainda trechos):
..... excelente temperamento, possuidor de canto longo, boa voz e repetidor de canto ....

Parecem critérios vagos, mas não o são. São, isto sim, de avaliações subjetivas, porém o conhecimento da espécie selecionada, a rigidez de princípios e a persistência aos objetivos, resultam em vitoriosos frutos. Pássaros que quando são apresentados nos torneios causam uma comoção geral.
- Pura sorte ?
Os que seguem por essa linha esperando que o acaso lhes sopre favoravelmente e lhes dê os melhores pássaros com certeza ainda são daqueles que possuem pássaros caçados. Agora na impossibilidade dessa renovação silvestre, passarão a ser ex-passarinheiros e num sem fim, recontarão as glórias de seu antigo pássaro caçado e participante de uma época onde, na roda um canário de ponta dava 80 cantos.

Se o resultado esperado, é obter Canários que até o olhar seja intimidador, devemos fazer uso na reprodução de pássaros de indiscutível valentia. Mas como não são criados para brigas não podemos esquecer que a Freqüência de canto deve ladear a valentia . E a Fibra? Não é o mesmo que valentia?
A valentia é aquele destemor que possui o bom Canário que o faz enfrentar numa roda inúmeros outros canários sem se intimidar. A Fibra , tal qual sandália de padre que mesmo desgastada continua pronta para a próxima peregrinação, faz o Canário sustentar, por horas num torneio e durante sua vida, o canto altivo e o gestual característico indicativo de sua personalidade. O segredo desta história é sempre anotar tudo, só assim de posse de resultados é que dará para saber se tais caracteres são hereditários e como funcionam.

E o canto do Canário? Qual é o melhor ?
Tenho a opinião que deve ser Típico da Espécie. E dentre os típicos da espécie o criador poderá escolher o que soa melhor aos seus ouvidos.

Há anos atrás presenciei uma seleção de cães pastores alemães por um experiente selecionador alemão: A cadela era recém parida; 9 filhotes. Após acurada observação o selecionador separou 3 filhotes mandando descartar os demais.
- Rígido demais? Não para a raça de cães pastor alemão. A raça já está perfeitamente padronizada e no julgamento observou detalhes que destoavam dos objetivos da raça.

Evidentemente que não tem comparações com nossos pássaros e nem preconizamos tal procedimento, porém só desejo demonstrar que o selecionador precisa ser imparcial e seu julgamento de avaliação de seus próprios pássaros deve-se ater a critérios rígidos quanto aos objetivos traçados. Os Canários que não se enquadrarem nessas avaliações podem ser transferidos a passarinheiros não criadores ou com outros critérios de avaliação. O que não pode, de maneira nenhuma é levar à criação Canários de Segunda ou com falta de caracteres desejáveis só porque são bonitinhos ou foram presentes de amigos.

Entendo que aqueles que estão a procura de Beleza de Plumagem, e que tenham fixado esta característica como um dos objetivos, tem nas mutações um chamativo a mais no nosso Canário da Terra.

Trabalhar com mutação de cor é muito mais fácil, por ser facilmente visível e não depender de outros fatores: saúde do pássaro, alimentação, entre outros que provavelmente teriam influência na fibra e valentia. Na imensa maioria das variações de cores estão envolvidos apenas 1 ou 2 pares de genes, então é mais fácil de controlar e estudar e prever. Características como fibra e valentia podem ter mais genes envolvidos o que dificulta um estudo.

A mutação não é uma degeneração ou um albino, transcrevo:
Biologia : Variação hereditária, súbita e espontânea, em um indivíduo geneticamente puro. As mutações na natureza consideram-se base da aparição biogenética de novas raças e espécies.

Segundo o ornitólogo Paulo Flecha:
Uma mutação é uma alteração genética. Ocorre em todo o reino animal (o albinismo ocorre na espécie humana). O primeiro mutante não dá para prever ou fazer, digamos que é espontâneo; na duplicação do DNA ocorre um erro de cópia; pronto pode ser uma mutação de cor. Mas erros de duplicação são raros, ocorrem de vez em quando.

Assim sendo é válido o cruzamento de indivíduos mutantes com os normais desde que preencham ou somem qualidades ao plantel, o perigo está na utilização dos recém introduzidos Peruanos e mais recentemente Venezuelanos. Ainda que somem certas qualidades ao plantel deve o criador/selecionador ter fixo na memória que os produtos destes cruzamentos não são indicados para repovoamentos.

Como é grande o número de criadores que hoje utilizam esses canários oriundos de países vizinhos nas nossas fêmeas nacionais, em pouco tempo saberemos da validade e oportunidade dessas introduções. O que efetivamente acrescentarão ao nosso Canário ? O que mais além do Porte?
Talvez a criação do futuro Sicalis Flaveola Sulamericanus.

Com tudo isto, ainda estarei por muito tempo, atento a tudo que um Curiozeiro fala, por enquanto a poeira ainda está envelhecida, mas no futuro, quero estar lado a lado.