Make your own free website on Tripod.com

Bem vindo ao canários da terra Home Page

Mestre Ivan Neto( artigos)
Home
Mestre Ivan Neto( artigos)
Noções Básicas na criação de CT
Mestre Luiz Antonio Taddei- Criador de canários da terra
Mestre Luiz A.Taddei: :Artigo 2
Mestre Luiz A.Taddei:artigo 3
criadores de canários
cantos de canários da terra
Alimentação do canário da terra
E-mail para contato

 
O Manejo dos Canários da terra
 
 
Manejo uma palavra de sentido to abrangente, que acaba perdendo sentido na intensificao do seu uso. Assim, tentar descrever o "manejo ideal" ir ampliar o leque de divagaes. Para solucionar um impasse desta monta, somente o Mestre Paulo Rui, com todo o seu conhecimento lingstico.
Talvez seja melhor, tentarmos buscar um conjunto de procedimentos para obtermos melhor interatividade com os nossos pssaros. Mesmo assim, no tentarei mergulhar to profundamente neste tema, para no precisarmos de uma previdente interveno do Dr. ZECA/BH.
Acredito que j deva ter ouvido falar no "ponto do pssaro". Todo passarinheiro tem como desafio, encontrar o ponto do passarinho. Entre seres humanos criados no mesmo ambiente e com as mesmas condies (irmos de ninho), quando adultos, cada um manifestar sua personalidade de forma peculiar. Com os pssaros tambm possvel percebermos estas nuances.
Assim, tendo como objetivo estimular o pssaro para cantar, precisamos descobrir quais as condies que melhor contribuem para obter o comportamento esperado.
Com um pssaro novo, ou que jamais saiu do seu prego (local de moradia), a 1 medida que deve ser adotada, passear com o mesmo para estimular a sua desinibio. Isto pode ser feito em etapas diferentes:
1 - Posicionar por algum tempo a gaiola, em local fixo, onde o pssaro possa perceber a movimentao de pessoas e outros pssaros. Smente esta mudana, implicar num perodo de adaptao, pois se no prego anterior, o pssaro no tinha contato com transito de pardais, pombos e outros pssaros voando, inicialmente ficar assustado com a movimentao.
2 - Uma vez acostumado (canta fora do prego) em permanecer por algumas horas em locais abertos, mudar a posio da gaiola, para pontos onde a mesma fique presa apenas por um gancho. Esta nova situao, com a gaiola balanando periodicamente, seja pela ao do vento ou mesmos quando movimenta-se, implicar novamente em outra situao de adaptao.
3 - Chega ento o grande momento, onde efetivamente tornamos-nos mulas carregando a gaiola, posicionada na altura do ombro, preferencialmente sem olhar diretamente para a mesma para no intimidar o pssaro. A dose de pacincia e sensibilidade exigida do passarinheiro grande, pois precisar repetir este exerccio, at que o pssaro acostume-se cantar enquanto transita com a gaiola. Aqui a maioria peca, pois nem todos tem a necessria pacincia para este exerccio.
Vale ressaltar que este perodo de desinibio do pssaro estar diretamente associado ao seu temperamento. Com alguns pssaros a adaptao imediata, j com outros, poder consumir alguns dias.
A vem um outro procedimento, costumeiramente chamado de "esquentar o pssaro".
Enfemear
Alguns pssaros, ficam mais excitados e cantam com maior fogosidade quando esto enfemeados. Para estes pssaros, mostrar uma fmea para o mesmo ou deixar que sua gaiola passe a noite tendo contato visual com uma fmea, far que no dia imediatamente posterior, cante com mais fogosidade. Cabe ressaltar que isto no vale para todos os pssaros, pois, alguns quando esto enfemeados, mostram uma performance canora piorada.
Uso da chia ou cela
Outros pssaros, ficam mais excitados e com a performance canora melhorada, quando mostramos para o mesmo um outro CT macho. Neste artifcio utiliza-se um CT menos valente, e, os melhores (celas ou chias) so aqueles que gemem quando percebem um CT valente querendo ataca-lo. No dia a dia das competies, chamamos este procedimento de "ralar um CT".
Um pssaro desinibido, onde tambm j descobrimos a melhor forma de esquenta-lo, estar pronto para entrar nas estacas de competio de canto. No entanto, aproveito para lembrar outras nuances a serem consideradas:
1 - Quando carregar a gaiola no carro, posicione a mesma na forma em que o poleiro fique no sentido longitudinal ao movimento do veculo. Esta a melhor forma de atenuar o desgaste da viagem, pois o pssaro no precisar travar os ps no poleiro a cada freada que dermos.
2 - Procure chegar cedo no local da competio, para abrir por algum tempo a gaiola, deixando que o pssaro ambiente-se com o local. Aproveite e disponibilize a banheira, para que banhe-se, antes de guarda-lo at o momento da apresentao.
3 - Na vspera da competio, deixe o pssaro no sossego do prego. Vejo muitos colegas (tambm j cometi este erro) passeando exaustivamente com o pssaro no Sbado, e no Domingo o pssaro no canta por estar desgastado.
4 - Para viagens longas, providencial, ministrar Glicose e Sais Eletrolticos na segunda-feira, repondo as perdas do final de semana.
5 - Se for utiliza-lo para galar, prefira utilizar de 3 a 5, assegurando que o pssaro descanse para a competio do final de semana.
6 - Evite viajar com pssaros demandando cantos. Smente um chegar ao local do Torneio dominando o territrio. Os outros estaro quebrados, e, tero sua performance comprometida na apresentao.
7 - Jamais coloque petiscos e guloseimas na gaiola no dia da competio. O pssaro adorar distrair-se comendo e no cantar no momento da apresentao.
Bem, acho que exagerei na mensagem. Tudo o que comentei, poderia estar resumido em afirmar que precisamos saber como estimularmos nosso pssaro em produzir os melhores cantos. Assim, quanto maior a interatividade entre o pssaro e seu proprietrio, menos artifcio precisaremos no dia da competio.

Saudaes Sicalienses, com Paz, Unio e Seriedade.

Ivan de Sousa Neto paixaonacional@ig.com.br
Diretor de Canto de Canrio da Terra COBRAP www.cobrap.org.br